Home > > Aquário de Ubatuba recebe primeiro pinguim da temporada

Aquário de Ubatuba recebe primeiro pinguim da temporada

Publicado em 18 de junho de 2013

primeiro-pinguim-da-temporadaUm filhote de Pinguim-de-Magalhães, da espécie Spheniscus magellanicus, foi encontrado ontem, 17 de junho, na região da Ponta Grossa, em Ubatuba, litoral norte de São Paulo. O animalfoi visto por um pescador preso nas pedras com machucados nas patas e nas asas e foi levado para o Aquário de Ubatuba, cuja equipe deu o primeiro atendimento e encaminhou o animal ao Instituto Argonauta para receber tratamento adicional.

“Este animal chegou bastante debilitado pesando 2.255 quilos e com alguns ferimentos causados, provavelmente, pelo atrito com as pedras, mas já está bem e passará por um processo de reabilitação com foco no aumento da temperatura corpórea, ganho de peso e hidratação para futuramente ser solto no mar”, explica Hugo Gallo, oceanógrafo e diretor-executivo do Instituto Argonauta e do Aquário de Ubatuba.

O aparecimento de pinguins na costa brasileira nesta época do ano é bastante comum, pois todos os anos esses animais se lançam ao mar em busca de alimento a partir da costa da Patagônia, Argentina e Ilhas Malvinas e acabam se perdendo do grupo e vindo parar nas praias. Muitos chegam debilitados e, por isso, são resgatados pela equipe do Instituto Argonauta, uma ONG que realiza o trabalho de cooperação para salvar animais marinhos desde 1998, com o apoio do Aquário de Ubatuba e convênio com a Petrobras desde outubro de 2011.

Para quem encontrar um pinguim pela praia, Hugo aconselha a “mantê-lo seco em caixa de papelão envolto em uma toalha ou jornal e esperar o resgate especializado chegar”. Ao contrário do que muitos imaginam, a espécie Pinguim-de-Magalhães não é polar e não está adaptada à temperaturas mais baixas, portanto, “é extremamente importante o acondicionamento correto do animal, devendo-se banir a hipótese de colocá-lo em gelo”, afirma Hugo.

Na temporada do ano passado foram plenamente recuperados 66 pinguins que foram soltos no mar, em janeiro deste ano, em uma operação realizada pelo Instituto Argonauta com o apoio do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE e da Marinha do Brasil, que cedeu a embarcação Lancha Patrulha Marlim para o transporte.

Videos